fbpx
  • Tratando a hérnia de disco com Pilates

    Tratando a hérnia de disco com Pilates

    Hérnia de disco ocorre porque há o deslocamento da parte interna do disco intervertebral. Quando este desgaste é muito grande, pode ocorrer uma ruptura no anel, levando o núcleo discal para fora. É mais comum nas regiões cervical e lombar, pois são áreas mais expostas ao movimento e que suportam maior carga.

    A compressão do núcleo através do anel fibroso é mais comum nos segmentos L4-L5 L5-S1, sendo considerada uma desordem músculo esquelética responsável pela “lombociatalgia”. Geralmente, esse  fragmento do disco que escapa comprime alguma raiz do nervo ciático, provocando dor em uma das pernas, além de dores musculares de forma geral e formigamentos nos braços, causados pela compensação postural.

    Esse processo ocorre com maior frequência em pacientes entre 30 e 50 anos, embora também possa ser encontrado em adolescentes, pessoas idosas e, muito raramente, em crianças.

    Tipos de Hérnia Discal

    Existem três tipos de hérnias de disco:

    – Hérnia protusa, onde existe um deslocamento do centro do disco, porém, sem rompimento das fibras, o que gera uma compressão e leva a um quadro doloroso.

    – Hérnia extrusa, onde existe um rompimento das fibras, mas não extravasa o canal medular. Gera compressão um pouco maior que a anterior e leva a um quadro de dor mais intenso e prolongado.

    – Hérnia sequestrada, onde acontece o rompimento das fibras e o núcleo migra para o canal medular. Além da compressão e dor, provoca uma inflamação importante e alteração nos quadros sensitivo e motor.

    O que Causa a Hérnia Discal

    Com o tempo, o uso repetitivo do mesmo movimento, força da gravidade, tensão do dia-a-dia, vícios, desvios posturais  e o envelhecimento, diminuem o espaço entre essas vértebras e pressionam o disco, até ele ser desgastado, facilitando assim a formação da hérnia de disco. Ao longo de toda a vida, 60 a 80% da população mundial desenvolve lombalgia. Cerca de 5% dos homens e 2,5% das mulheres apresentam hérnia de disco lombar.

    Pilates para Hérnia Discal

    Estudos demonstram que a prática da atividade física, visando o reforço muscular, melhora a flexibilidade e o condicionamento aeróbico, podendo oferecer efeitos positivos à autonomia funcional dos indivíduos, especialmente, entre os com mais de 60 anos.

    O Pilates é uma forma de condicionamento físico que contribui muito nos casos de desvios posturais, como a escoliose, e nos casos de hérnias de disco também.

    Como forma de tratamento, e de minimizar o sofrimento do paciente, ele ajuda com um programa postural que busca a melhora da flexibilidade e da força muscular, além do controle mental.

    Ele interage corpo e mente, melhora  as dores musculares e amplia a capacidade de executar os movimentos, aumentando o controle, a força, o equilíbrio muscular e a consciência corporal. Ele trabalha o corpo como um todo, corrige a postura e realinha a musculatura, desenvolvendo a estabilidade corporal necessária para uma vida mais saudável e longeva.

    O Pilates costuma ser efetivo nas dores causadas pela hérnia de disco porque os exercícios geram maior afastamento entre as vértebras, graças a movimentos de alongamento crânio-caudal. A técnica estimula ainda a correção da postura. Os benefícios são adquiridos através da essência do método, que promove a estabilização da hérnia de disco.

    O método se fundamenta, entre outros, nas forças centrais do corpo – CORE – que inclui o complexo lombo-pélvico dos quadris. Ou seja, esses grupos musculares centrais vão absorver grande parte do impacto, estabilizando, sobretudo as articulações da coluna. Além de restabelecer os espaços intervertebrais através do fortalecimento e alongamento dos grupos musculares, resultando em uma maior proteção dos discos intervertebrais e alinhamento corporal.

    Pesquisas mostram que pacientes que se utilizam da técnica do Pilates, citam o alívio das dores e incômodos na hérnia de disco lombar, além da recuperação do quadro de lombalgia crônica  e elevado índice de satisfação com o tratamento.

    Fonte: Revista Pilates